A missão dos cardiologistas na promoção da saúde pública

0
27


Em homenagem ao Dia Nacional da Saúde, um especialista lembra da importância de hábitos balanceados na busca por bem-estar

Por José Francisco Kerr Saraiva, cardiologista*

access_time

5 ago 2019, 08h13

Em 5 de agosto, comemora-se o Dia Nacional da Saúde, instituído pelo Decreto de Lei nº 5.352, de 8 de novembro 1967, cujo objetivo é estimular e difundir a importância dos cuidados com o próprio corpo. Tais objetivos estão diretamente relacionados a outra data comemorativa desse mês: o Dia do Cardiologista (14). Afinal, a atenção com o coração constitui-se em uma prioridade para se ampliar a longevidade com qualidade de vida da população brasileira.

Diante dessas datas importantes, reiteramos a necessidade de multiplicarmos ações contra as doenças cardiovasculares, que matam aproximadamente 380 mil pessoas por ano em nosso país. É sempre bom lembrar que a maioria das causas dessas enfermidades são evitáveis: tabagismo, abuso de álcool, sedentarismo e alimentação desregrada, que também favorecem hipertensão, diabetes, obesidade e colesterol elevado. Reduziríamos de modo expressivo as mortes por doenças cardiovasculares se conseguíssemos mudar os hábitos de milhões de brasileiros.

Anúncio
Liberdade Financeira de Verdade!

Todos precisamos ser mais responsáveis com a própria vida e a dos nossos familiares. Independentemente de campanhas públicas de esclarecimento e ações governamentais, é decisivo que cada pessoa tenha consciência dos riscos de certas atitudes. A saúde é um bem precioso, que podemos preservar por muito tempo mantendo uma rotina saudável de alimentação, sono e atividade física.

Uma das missões mais importantes dos cardiologistas é a redução da mortalidade pelas doenças cardiovasculares. Por isso, insistimos tanto na prevenção e na conscientização sobre os benefícios de hábitos equilibrados.

A melhor maneira de curar doenças é evitar que elas aconteçam. E podemos, sim, fazer com que milhões de brasileiros não sejam acometidos por enfermidades graves. Tal objetivo não é apenas uma meta de saúde pública, mas uma conquista da sociedade em favor das atuais e das próximas gerações!

*José Francisco Kerr Saraiva, médico, é presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp).



Fonte do Artigo

Anúncio

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here