Algum alimento pode atrapalhar o tratamento do câncer?

0
101


Estudo sugere que uma substância de carnes e leguminosas prejudicaria o combate ao tumor de mama. Veja se há mesmo nutrientes que afetam o tratamento

Por Chloé Pinheiro

access_time

24 jun 2019, 16h43

Uma pesquisa divulgada faz pouco pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, insinua que a leucina, um aminoácido amplamente encontrado na dieta, pode atrapalhar o tratamento do tipo mais comum de câncer de mama. Essa substância atua na saúde dos músculos e na manutenção das demais células do corpo – e está em carnes, leites e proteínas vegetais, como as leguminosas.

Os cientistas fizeram testes em células isoladas no laboratório, e descobriram que aumentar os níveis de leucina em conjunto com um tipo de tratamento também intensificava o crescimento do câncer de mama. Por outro lado, restringir o nutriente suprimia a atividade maligna.

Anúncio
Liberdade Financeira de Verdade!

Esse comportamento foi observado no tumor de mama com receptor de estrogênio. Esse subtipo responde por quase 70% dos casos da enfermidade.

A expectativa é que o achado seja usado para criar remédios que bloqueiem a ação da leucina nos tumores e, quem sabe, para desenhar intervenções na alimentação. O grupo testa agora essa segunda possibilidade, averiguando se cortar o composto da dieta de roedores com câncer de mama trará algum benefício.

Ponderações necessárias

“A relação entre leucina e resistência ao tratamento do câncer de mama com receptor de estrogênio não está bem estabelecida. Os estudos são preliminares, com experimentos realizados em cultura de células e camundongos”, avisa Patricia Jucá, oncologista e mastologista da unidade especializada nas mamas do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Ou seja, não dá para extrapolar o achado para seres humanos. “Fora que, quando pensamos na restrição de leucina, estamos falando em tirar proteínas da dieta, o que pode levar a perda de massa muscular, de força, e, assim, até a um prejuízo da resposta ao tratamento”, destaca Leticia Carniatto, nutricionista do A.C. Camargo Cancer Center, em São Paulo.

Ou seja, nem pense em fazer isso, principalmente por conta própria.

Por que a leucina afetaria o tratamento do tumor?

Ainda não se sabe com clareza, mas o que as pesquisas iniciais apontam é que grandes quantidades dessa molécula podem elevar a proliferação desordenada das células do câncer e dificultar o processo de morte delas, que ocorreria com o medicamento.

Basicamente, é como se elas ficassem menos sensíveis ao fármaco. Aliás, o remédio testado foi o tamoxifeno, que bloqueia a ação do estrogênio nas células do tipo de câncer de mama que é estimulado por esse hormônio.

Alimentação e câncer

Por enquanto, não existem recomendações individualizadas para o tratamento de cada caso da doença. “Não há evidências consolidadas de que um único alimento atrapalhe ou melhore o combate aos tumores. É mais importante avaliar o padrão alimentar do indivíduo”, comenta Rachel Souza Thompson Motta, nutricionista do Inca.

Quando a doença dá as caras, o principal objetivo é manter o peso e garantir uma ingestão equilibrada de nutrientes – é comum que a balança suba ou desça na presença de um tumor maligno. Limitar o consumo de fast-food e outros itens ricos em gordura e açúcar é a maior recomendação nesse sentido.

Essa restrição ajuda ainda a prevenir ou controlar doenças crônicas como diabetes e hipertensão, o que reduz complicações associadas ao tratamento e melhora a qualidade de vida.

A falta de apetite associada à terapia eventualmente causa um quadro de desnutrição. Por isso, também é preciso caprichar no consumo de frutas, verduras e legumes, que garantem o aporte de substâncias benéficas para a saúde.

No mais, outras recomendações dietéticas que visam a prevenção do câncer também valem para quem luta contra ele. São elas: limitar o consumo de carne vermelha a 500 gramas por semana e maneirar nos embutidos e no álcool.



Fonte do Artigo

Anúncio

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here