Gordura no Sangue – O Que é, Sintomas e O Que Fazer

0
3


O acúmulo de gordura no sangue pode prejudicar
o metabolismo e resultar em doenças que afetam o sistema cardiovascular,
incluindo elevar o risco de um ataque cardíaco ou de um derrame, por exemplo.

Dessa forma, é prudente verificar a
gordura no sangue através de exames de rotina e sempre buscar formas saudáveis
de não só evitar o acúmulo como de eliminar qualquer excesso de gordura que
seja detectada no organismo.

Os sintomas que indicam que a gordura no sangue está mais elevada do que o que é considerado normal serão mostrados nesse artigo, bem como dicas de o que fazer quando isso acontece para evitar problemas de saúde.

Gordura no sangue – O que é?

A presença de gordura no sangue indica que os níveis de colesterol e de triglicerídeos estão elevados.

O colesterol é um composto gorduroso
produzido pelo fígado quando ele quebra as gorduras saturadas obtidas por meio
da dieta. Depois dessa quebra, o colesterol passa a integrar parte do nosso
sangue de 2 formas:

Anúncio
Liberdade Financeira de Verdade!
  1. Lipoproteínas de baixa densidade: conhecido como LDL, esse é o colesterol considerado ruim quando em altas quantidades porque ajuda a distribuir essa gordura por todo o organismo por meio da corrente sanguínea.
  2. Lipoproteínas de alta densidade: esse tipo de colesterol é chamado de HDL e é considerado o colesterol bom, já que ele ajuda a eliminar o excesso de colesterol do tipo LDL da corrente sanguínea. Níveis mais altos desse tipo de colesterol são bem aceitos, desde que dentro dos limites estipulados por órgãos de saúde.

Os triglicerídeos ou triglicérides são outro tipo de gordura presente no sangue e obtida por meio dos alimentos. As gorduras ingeridas através dos alimentos são quebradas pelo fígado em triglicerídeos. Alé m disso, outros tipos de macronutrientes como carboidratos ingeridos em excesso podem ser transformados em triglicérides pelo órgão.

A principal função dos
triglicerídeos é ser usado para disponibilizar energia ao corpo ou para
armazenar gordura. Isso significa que toda vez que uma dieta hipercalórica –
com mais calorias do que o seu corpo necessita – for adotada, as calorias
ingeridas em excesso, se não forem gastas pelo organismo, serão convertidas em
triglicerídeos.

Além disso contribuir para a obesidade, ter altos níveis de gordura no sangue pode levar ao acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos. Se essa gordura se acumular nas artérias coronárias, responsáveis por fornecer sangue para o coração, pode ocorrer um estreitamento ou endurecimento das paredes arteriais, o que reduz o fluxo sanguíneo e pode causar problemas sérios para a saúde do coração.

O bloqueio de uma artéria que vai
para o coração pode causar um ataque cardíaco enquanto que uma artéria
obstruída que leva sangue até o cérebro pode resultar em um derrame. Outros
problemas como má circulação e doenças cardíacas e renais também podem ocorrer
devido ao acúmulo de gordura no sangue.

Sintomas

Raramente, a presença de gordura no
sangue causa sintomas perceptíveis. Algumas poucas pessoas podem apresentar
sinais como inchaços amarelados na pele ou obesidade.

É comum que pessoas que têm diabetes também apresentem colesterol alto, mas essa não é uma regra. Em alguns homens, sintomas de impotência sexual podem ser causados por artérias afetadas pelos altos níveis de colesterol no sangue.

No entanto, a maneira mais eficaz de verificar se os níveis de gordura no sangue estão altos é por meio de exames de sangue de rotina que meçam o colesterol e os triglicérides.

É sempre bom realizar esses exames
já que gordura acumulada no sangue pode causar complicações de saúde como
derrame, ataque cardíaco, pressão arterial elevada e outros problemas
circulatórios. Através de um diagnóstico precoce, é possível evitar muitos
problemas.

Como medir

Para saber como estão os níveis de gordura no sangue, é preciso realizar um exame de sangue de rotina. Através da amostra de sangue, os níveis de triglicerídeos e de colesterol podem ser analisados.

Geralmente, é requerido um jejum de pelo menos 8 horas para que a última refeição não interfira nos resultados obtidos no exame.

Os limites considerados normais
podem variar um pouco de acordo com o laboratório que analisa as amostras, mas
normalmente é saudável apresentar:

  • Nível de colesterol total menor que
    5 milimol por litro ou 200 miligramas por decilitro de sangue;
  • Nível de colesterol HDL acima de 1
    milimol por litro de sangue;
  • Nível de colesterol LDL inferior a 3
    milimol por litro ou 130 miligramas por decilitro de sangue;
  • Níveis de triglicerídeos abaixo de 1,7
    milimol por litro ou 150 miligramas por decilitro de sangue.

É muito importante ficar de olho nesses limites anualmente, pois além de alertar para um alto risco de problemas cardíacos, alterações no colesterol e nos triglicerídeos podem indicar problemas como diabetes, hipotireoidismo, doença hepática, alcoolismo, doença renal, estresse, condições genéticas que afetam o metabolismo de gorduras e a síndrome metabólica.

Há casos em que os triglicerídeos
ficam elevados por causa do uso de determinados medicamentos, tais como
diuréticos, esteroides, retinoides, anticoncepcionais como a progesterona e o
estrogênio, remédios para regular a pressão arterial e a frequência cardíaca
como os bloqueadores-beta e imunossupressores. Ao analisar o resultado de um
exame de perfil lipídico, é necessário que o médico avalie todas as possíveis
influências sobre os valores obtidos no teste.

O que fazer

Quando o colesterol está alto, é
preciso usar medicamentos prescritos para reduzir os níveis de colesterol no
sangue.

O tratamento consiste no uso de
remédios como os descritos abaixo:

– Estatinas

Os remédios da classe das estatinas,
que incluem a Sinvastatina e a Atorvastatina, por exemplo, são utilizados para
baixar o colesterol principalmente quando existe um histórico de artérias
bloqueadas ou diabetes.

– Fibratos

Os fibratos como o Fenofibrato e o
Gemfibrozil ajudam na redução dos níveis de triglicerídeos. Porém, essa classe
de medicamentos não deve ser utilizada por quem sofre de problemas renais ou
hepáticos graves.

– Suplementos

  • Ômega 3: o ômega 3 encontrado no óleo de peixe ou em peixes gordurosos como o salmão e o atum é uma boa fonte de gordura saudável que ajuda a reduzir os triglicerídeos e a aumentar os níveis de colesterol bom no organismo.
  • Niacina: a niacina ou vitamina B3 pode ajudar a diminuir os níveis de triglicerídeos e de colesterol do tipo LDL no sangue.

Como eliminar a gordura em excesso?

Somado ao uso de medicamentos – quando indicado por um médico – é indispensável seguir uma boa dieta e controlar o peso. Alguns cuidados com a dieta e com os hábitos diários incluem:

1. Ter cuidado com a dieta

Limitar o consumo de alimentos gordurosos, principalmente aqueles ricos em gordura saturada, é essencial para reduzir os níveis de gordura no sangue. Também é importante evitar a ingestão de açúcar e outros carboidratos refinados que podem aumentar os níveis de triglicerídeos estocados.

O ideal é preferir optar por alimentos naturais como frutas e legumes que são ricos em fibras. É indicado ingerir de 3 a 5 porções de vegetais por dia além de 2 a 4 porções de frutas.

2. Ser mais ativo fisicamente

Praticar exercícios físicos ajuda a reduzir os níveis altos de colesterol no sangue. Os melhores são os aeróbicos, como caminhar, correr, nadar, dançar ou andar de bicicleta.

Além disso, o exercício físico ajuda
a diminuir a pressão arterial, a reduzir os níveis de açúcar no sangue e a
controlar o estresse.

O indicado é realizar exercícios físicos aeróbicos de 4 a 5 vezes por semana por pelo menos 30 minutos.

3. Evitar o álcool

É importante limitar o consumo de álcool, já que o abuso da substância pode aumentar os triglicerídeos sanguíneos.

4. Perder peso

Ao aliar uma boa alimentação baseada em uma dieta hipocalórica com a prática regular de atividades físicas, o resultado será a perda de peso. Pode não ser fácil, mas essa é a fórmula de sucesso para emagrecer e, consequentemente, reduzir a gordura no sangue.

5. Seguir o tratamento indicado

Sem dúvida, ao seguir as dicas
mencionadas nesse artigo e as orientações específicas dadas pelo seu médico,
seus níveis de gordura no sangue no próximo exame de sangue estarão bem mais
baixos do que antes.

Referências Adicionais:                                              

Você já teve gordura no sangue? O que seu médico recomendou? Como você lidou com isso? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading…





Fonte do Artigo

Geralinks

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here