Laqueadura – O Que é, Como é Feita, Recuperação e Efeitos Colaterais

0
87


Os métodos contraceptivos mais utilizados pelas mulheres têm a desvantagem de apresentar efeitos colaterais indesejados, além de não serem 100% seguros. Desta forma, muitas mulheres optam por realizar um procedimento de laqueadura para não engravidar mais.

Muitas são as dúvidas sobre a efetividade da cirurgia, como ela é feita e quais são os riscos associados a ela. Além de explicar o que é a laqueadura, vamos mostrar alguns aspectos importantes sobre a recuperação e os efeitos colaterais que podem surgir após o procedimento para que não reste nenhuma dúvida sobre o assunto.

Laqueadura – O que é?

A laqueadura é um procedimento chamado também de ligadura tubária ou ligadura de trompas. Trata-se de um modo de controle de natalidade que promete ser permanente. A laqueadura consiste em cortar e ligar as trompas de Falópio para evitar a gravidez.

Essa ligação impede que o óvulo saia dos ovários por meio das tubas uterinas e também bloqueia a entrada do espermatozoide até o óvulo. É como se as trompas de Falópio fossem o meio de transporte para que o óvulo e o espermatozoide possam se encontrar e, com a laqueadura, essa via se torna interditada para sempre.

Ao contrário do que algumas mulheres pensam, a laqueadura não afeta o ciclo menstrual.

Anúncio
Liberdade Financeira de Verdade!

O procedimento pode ser feito em
qualquer momento, mas geralmente ele é feito logo após o parto natural ou uma
cesariana e não pode ser revertido. Existem tentativas de reverter o processo,
mas a cirurgia é muito complicada e nem sempre é eficaz. Assim, ao optar por um
procedimento de laqueadura, é preciso estar completamente segura sobre a
decisão.

Por que é feita?

A laqueadura é feita por mulheres
que querem evitar a gravidez de forma permanente, podendo dispensar outros
métodos contraceptivos.

A ligadura de trompas também é capaz de reduzir o risco de desenvolver câncer de ovário.

Como é feita uma laqueadura?

Antes de se submeter à laqueadura, é
importante avaliar todos os benefícios e riscos da cirurgia. O médico deve
detalhar o procedimento para que a paciente possa decidir se quer fazer a operação
ou não. É importante ter certeza de que não está grávida ao se submeter à uma
laqueadura.

O procedimento pode ser feito logo
após o parto por meio de uma pequena incisão sob o umbigo, durante uma
cesariana, ou como uma cirurgia isolada em que o médico usa um laparoscópio e
uma anestesia geral.

– Laqueadura sem parto

Na laqueadura feita em uma mulher
que não está dando à luz, uma agulha é inserida através do umbigo ou uma
incisão é feita para inflar o abdômen com um gás – que pode ser o dióxido de
carbono ou o óxido nitroso. Esse gás ajuda o médico a ter uma melhor visibilidade
e acesso ao local. Depois disso, um laparoscópio é inserido no abdômen. Pode
ser necessária uma segunda incisão para inserção de instrumentos cirúrgicos
específicos para selar as trompas de Falópio por meio de uma cauterização ou
eletrocoagulação. Outra possibilidade é “amarrar” as trompas de Falópio.

Outra forma de conduzir a cirurgia sem um laparoscópio é chamado de oclusão tubária histeroscópica. Esse método não requer anestesia pois não se trata de uma cirurgia e pode ser feito através do colo do útero. Nesse caso, o médico insere bobinas dentro das trompas de Falópio ao invés de cortar selar suas pontas.

Isso pode ser feito através de 2 sistemas: o sistema Essure e o sistema Adiana. No sistema Essure, um implante metálico é inserido por meio da vagina e colocado nas trompas de Falópio. Já no sistema Adiana, é utilizado um implante de silicone no local.

No entanto, esses métodos têm maior
risco de não dar certo e só é possível confirmar se o procedimento obteve
sucesso após 3 meses por meio de um exame. Nesse meio tempo, é essencial que a
mulher não deixe de usar um método contraceptivo como garantia extra.

– Laqueadura após o parto

Quando a cirurgia é feita durante o
parto natural, o médico faz uma pequena incisão sob o umbigo para ter acesso ao
útero e as trompas de Falópio. Em caso de cesariana, o acesso é feito pela
mesma incisão feita para que o bebê possa nascer. Nessas situações, não é
preciso inserir nenhum gás no abdômen da mulher.

Recuperação

Depois do procedimento sem parto ou
cesariana, é necessário remover o gás usado para inflar o abdômen. Nos outros
casos, basta fechar as incisões.

Geralmente, a recuperação é rápida e a mulher que teve um parto natural ou cesárea pode sair do hospital assim que receber alta – em cerca de 48 horas. Já a mulher que optou por uma laqueadura como um procedimento isolado pode ir para casa algumas horas depois da cirurgia.

Alguns cuidados devem ser tomados no pós-operatório, mas, em geral, a recuperação é bem tranquila. Geralmente, é utilizada uma cola cirúrgica nas incisões que não precisa ser removida e que promove uma cicatrização mais rápida.

A mulher pode tomar banho
normalmente, mas não deve esticar, colocar pressão ou esfregar a região das
incisões. Além disso, é indispensável manter o local limpo e seco para uma boa
cicatrização.

O médico pode recomendar o uso de um
analgésico nos primeiros dias após o procedimento apenas se a mulher sentir
dor.

Pode ser recomendado que a mulher
evite levantar peso ou fazer sexo de 1 a 3 semanas para assegurar uma
recuperação adequada. As outras atividades de rotina podem ser retomadas aos
poucos e se o trabalho da paciente não envolver esforço físico, é possível
voltar ao trabalho em pouquíssimos dias.

Efeitos colaterais e riscos

Como qualquer procedimento invasivo,
a ligadura de trompas pode trazer riscos para a saúde. Os efeitos colaterais
que podem ocorrer após a cirurgia incluem:

  • Dor pélvica;
  • Dor abdominal;
  • Cólica;
  • Fadiga;
  • Dor no ombro;
  • Inchaço;
  • Tontura.

Os riscos inerentes ao procedimento
podem ser:

  • Cicatrizes;
  • Infecções;
  • Sangramento;
  • Reação à anestesia;
  • Danos ao intestino, à bexiga e aos
    vasos sanguíneos;
  • Gravidez ectópica, que é a
    fecundação de um óvulo fora do útero;
  • Gravidez indesejada por causa de um
    procedimento mal feito.

Pessoas com histórico de cirurgia
pélvica ou abdominal, obesidade e diabetes são mais propensas a sofrer
complicações cirúrgicas e devem discutir os riscos envolvidos com o cirurgião
responsável pela operação.

Ao notar qualquer um dos sintomas abaixo, é importante procurar um médico, pois estes podem ser sinais de infecção ou complicações cirúrgicas:

  • Mau cheiro na região das incisões;
  • Dor abdominal intensa que piora com
    o tempo;
  • Sangramento;
  • Sensação de desmaio;
  • Febre alta.

Embora existam riscos e efeitos colaterais que possam acontecer, a ligadura tubária é um procedimento seguro e eficaz no controle permanente da natalidade.

É preciso estar ciente que a cirurgia para reverter o procedimento é muito cara e pode ser ineficaz. Além disso, mesmo quando a laqueadura pode ser revertida, a fertilidade pode ser afetada e a mulher pode precisar investir em tratamentos de fertilização in vitro para que a fecundação dê certo. Dessa forma, pense bem antes de optar por uma laqueadura para não se arrepender depois.

Referências Adicionais:                                              

Você conhece alguém que já tenha feito laqueadura? Tem vontade de fazer para evitar futuras gravidezes? Comente abaixo!

rating_on Laqueadura - O Que é, Como é Feita, Recuperação e Efeitos Colateraisrating_on Laqueadura - O Que é, Como é Feita, Recuperação e Efeitos Colateraisrating_on Laqueadura - O Que é, Como é Feita, Recuperação e Efeitos Colateraisrating_on Laqueadura - O Que é, Como é Feita, Recuperação e Efeitos Colateraisrating_on Laqueadura - O Que é, Como é Feita, Recuperação e Efeitos Colaterais (2 votos, média: 5,00 de 5)
rating_on Laqueadura - O Que é, Como é Feita, Recuperação e Efeitos ColateraisLoading…





Fonte do Artigo

Anúncio

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here