Respiração correta: benefícios e como fazer

0
28


“A mente é a rainha das emoções. Mas a respiração é a rainha da mente”, diz o professor de yoga Bellur Krishnamachar Sundararaja Iyengar, conhecido como B.K.S. Iyengar, fundador do “Iyengar Yoga”. Fato é que sua respiração pode dizer muito sobre seu estado e aprender como fazer a respiração correta tem grande impacto na sua saúde.

“Não respirar bem atrapalha o sono, a mastigação, reduz o sabor dos alimentos e piora a qualidade de vida”, avisa Maura Neves, otorrinolaringologista do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Já, respirar com sabedoria melhora a oxigenação dos tecidos. “E até diminui a frequência e o trabalho cardíacos – se em um batimento do coração existe um sangue muito bem oxigenado e rico, certamente o número de batidas que ele precisa para entregar o oxigênio demandado pelos tecidos diminui”, avisa Rodrigo Duprat, cirurgião plástico formado no Instituto Ivo Pitanguy (RJ), instrutor formado e praticante de yoga.

Vantagens da respiração correta

O processo de respiração pulmonar é dependente de dois importantes movimentos respiratórios: inspiração e expiração. Quando inspiramos, o músculo do “diafragma” desce e os músculos intercostais se contraem, ocasionando aumento do tórax e redução da pressão dentro do tórax. Na expiração, o diafragma faz papel inverso: ele se eleva, os músculos intercostais ficam relaxados, há redução da caixa torácica, aumentando a pressão dentro do tórax, facilitando a saída de ar.

Anúncio

A maioria das pessoas não sabe respirar para tirar o máximo proveito das propriedades nutritivas e saudáveis desse ato e acabam desenvolvendo hábitos prejudiciais – e no piloto automático. “Muitas vezes, a correria do dia a dia, as fontes externas de estresse, levam as pessoas a respirarem com a parte superior do tórax, levantando e abaixando os ombros, alterando assim o ritmo e a profundidade da respiração, o que influencia no bem-estar”, observa Gilmara Souza Enfermeira, especialista em ciências Pneumológicas, de São Paulo.

“Quando a gente respira de forma adequada, conseguimos nutrir um recurso que nos ajuda reduzir a ansiedade e o estresse e promovendo calma e relaxamento”, fala Vivian Wolff, coach especialista em desenvolvimento humano e mindfulness pelo Integrated Coaching Institute (ICI).

E o ato afeta até nosso sistema imune. “Em uma batalha do nosso sistema imunológico, muitas vezes a respiração está rápida, curta e perdemos a capacidade de permanecer muito tempo em retenção (sem respirar). Quem sabe com precisão seu padrão respiratório, percebe claramente. Em geral, quando tenho qualquer gripe ou infecção, a respiração muda um ou dois dias antes de qualquer outro sintoma”, completa Rodrigo.

Outras vantagens de uma respiração correta incluem:

. Melhor manutenção da oxigenação do cérebro;

. Rejuvenescimento da pele (o oxigênio equilibra os efeitos dos radicais livres);

. Ajuda no processo digestório e no controle do peso.

. Melhora do metabolismo;

. Controle dos impulsos, diminuindo o nível de estresse e reduzindo a ansiedade (pelo estímulo na produção de endorfina), o que gera a sensação de bem-estar;

. Redução da frequência de enxaquecas, por manter a adequada oxigenação encefálica;

. Indução da produção de melatonina o que melhora a qualidade do sono;

. Fortalecimento do sistema imunológico por promover barreira de proteção contra fatores externos causadores de danos ao organismo, como a poeira, pólen, frio, ácaros, poluição, bactérias e vírus.

Fatores externos

Quem sofre de angústias, transtornos de ansiedade, estresse e outras alterações emocionais pode apresentar variações na respiração, em vários momentos do dia. “A ansiedade causa liberação de adrenalina, que leva ao aumento da frequência respiratória”, explica Gilmara. A nossa respiração pode mudar e se tornar mais curta… “E até mesmo ofegante sob um momento de pressão e descontrole emocional”, nota o fisioterapeuta Cadu Ramos, de São Paulo.

As alterações sazonais também contribuem para a variação da respiração. No outono e inverno, por exemplo, a temperatura se torna mais baixa, assim como a umidade do ar, gerando a redução da ventilação nos ambientes, intensificando a suscetibilidade de transmissão de vírus e bactérias, levando ao agravamento das afecções respiratórias e alterações da respiração.

Outros fatores como a obesidade, doenças cardíacas crônicas, estados febris também influenciam patologicamente na mudança da respiração.

Falta de ar causada causada pelo coronavírus

É fácil identificar se sua falta de ar é por esforço físico mas, se você não se mexeu e está passando por isso, ainda pode ser apenas um caso de ansiedade.

No Covid-19, a falta de ar é um sintoma preocupante que decorre de um processo inflamatório nos pulmões. O paciente comumente o descreve como uma sensação de aperto no peito e cansaço relacionado aos esforços. “A pessoa tem limitação em fazer determinadas atividades que antes realizava com facilidade, reclamando de ‘falta de fôlego’”, fala Gilmara. “Com o agravar do processo de doença e com a sobrecarga pulmonar, a falta pode apresentar-se, mesmo com o paciente em repouso, intensificando ainda mais com a movimentação. Esse comprometimento da respiração no Covid-19 pode desencadear um desequilíbrio na oxigenação podendo levar a casos importantes de insuficiência respiratória aguda”, completa.

Por sua vez, a falta de ar causada por um quadro de ansiedade, na maioria das vezes, está desvinculada do esforço físico. Pelo contrário, a pessoa sente falta de ar em repouso e a melhora quando caminha, ou tem alguma fonte de distração.

Aprenda a fazer a respiração correta.

A forma mais adequada é respirar pelo nariz, utilizando o movimento natural e involuntário do músculo diafragma, quer na inspiração facilitando a entrada de ar nos pulmões, quanto na expiração, eliminando o ar rico em dióxido de carbono para o ambiente.

A mestre em fisiologia do exercício Bianca Vilela, de São Paulo, concorda: “Com tanta ansiedade, respiramos de forma curta e sem que o ar possa chegar onde deve chegar, ou seja, na região ventral, com uma inspiração profunda, não curta. Falo sempre que a respiração não deve ocorrer somente na região peitoral e que ela deve chegar lá embaixo, de forma que a região abdominal seja projetada para frente”.

É importante lembrar que não se deve respirar pela boca, uma vez que é a cavidade nasal que tem a responsabilidade de pré-condicionar o ar – filtrar, aquecer e umidificar. Ela é inclusive uma barreira contra a entrada de microrganismos. “Respirar pela boca permite a entrada de ar frio ‘não filtrado’, repleto de agentes externos prejudiciais à saúde do ser humano, causando ressecamento da mucosa oral, e maior vulnerabilidade de infecções e inflamações como quadros de amidalites e faringites, por exemplo”, fala a enfermeira.

5 técnicas de respiração para ajudar na ansiedade – e para viver melhor

“A respiração mais simples e prática é alongar o tempo de inspiração e expiração, sem observar as transições. A respiração tão fluida que mal se percebe quando a inspiração começou e quando ela acabou. Um bom corredor é aquele que não deixa pegadas”, ensina Duprat. A seguir, ele sugere 5 técnicas para praticar.

  1. RESPIRAÇÃO DIAFRAGMÁTICA Aquela onde o músculo diafragma empurra as vísceras para baixo na inspiração e permite uma respiração abdominal. É bem relaxante e estimula o sistema nervoso parassimpático.
  2. RESPIRAÇÃO NADI SHODANA Ajuda a equilibrar a energia sutil do nosso organismo. Alternamos as narinas. Inspire pela direita (tampando a esquerda com o dedo anular), expire pela esquerda (tampando a direita com o dedo anular). Depois, inspire pela esquerda e expire pela direita.
  3. RESPIRAÇÃO AO CAMINHAR Inicie sua caminhada por um minuto e observe a respiração. Expire relaxando o corpo e retenha sem ar – ande 5 passos. Quando precisar, inspire por 5 passos. Retenha por 10 passos. Expire em 10 passos.
  4. RESPIRAÇÃO NOS CASOS DE PÂNICO OU ANSIEDADE Pegue um pouco de ar silenciosamente. Segure de 2 a 5 segundos. Após cada retenção, respire normalmente por 10 segundos. Continue pequenas retenções de 2-5 segundos. Pratique os ciclos por 15 minutos.
  5. RESPIRAÇÃO 1,2,34 (1,2,3,4 inspirando 4,3,2,1 expirando). Enquanto inspira, conte lentamente de “1” a “4” e, ao expirar, conte lentamente de volta a “1” de “4”. Assim, ao inspirar, diga calmamente “1..2..3..4” e, ao expirar, diga calmamente para si mesmo “4..3..2..1”. Faça isso várias vezes.



Fonte do Artigo

Anúncio

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here